Consultor pede apoio dos deputados para fortalecer práticas integrativas na Saúde

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul recebeu na manhã desta quinta-feira (4) o consultor doutor em Saúde Integral, Ricardo Monezi, do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP), que discursou sobre a importância das 29 Práticas Integrativas e Complementares (PICs) no Sistema Único de Saúde, que unem conhecimentos da medicina convencional com práticas tradicionais para prevenção e tratamento de doenças crônicas na Atenção Básica.

Dentre as práticas estão a apiterapia, aromaterapia, bioenergética, constelação familiar, cromoterapia, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos e ozonioterapia – confira todas clicando aqui. “Hoje estamos vendo modelos de hipermedicalização que podem agravar ainda mais outras doenças e as 29 práticas são referendadas pelas principais universidades brasileiras como forma de proteger a saúde do cidadão e da sociedade”, explicou o consultor.

Segundo Monezi, Mato Grosso do Sul tem potencial de grande desenvolvimento desse sistema integrativo. “São estratégias que permitem o protagonismo da população em relação à sua saúde. Visitei escolas com a prática de yoga e meditação aos alunos, vi terapia floral em Antônio João, Angélica e Baytaporã, enfim, são mais que práticas, são também resgates de princípios éticos e de valores ancestrais que ajudam as famílias, a sustentabilidade e a educação. Por isso peço ajuda aos deputados para implementar ainda mais essas práticas para que diminuam os agravos e fomentem a saúde integral”, destacou Ricardo Monezi.

O consultor esteve presente na sessão a convite do deputado Capitão Contar (PSL), que teve ausência justificada pelo deputado Eduardo Rocha (MDB), devido a agenda em Paranaíba. “Pedimos a compreensão pelo deputado, mas agradecemos e nos sentimos honrados com sua presença em um tema tão importante quanto esse”, disse Rocha.

O deputado Professor Rinaldo (PSDB) confirmou a importância da prevenção. “Essas práticas incentivam a prevenção, um tema recorrente nessa Casa de Leis, pois vemos que os problemas de hoje estão perturbando famílias e poderiam ser prevenidos. A depressão antigamente era tratada como preguiça. Lembro de um suicídio de um casal em 1979, em Fátima do Sul, uma tristeza, casos raros e hoje são vários”. Felipe Orro (PSDB) concordou. “Depressão hoje está em todas as faixas etárias e é preciso enfrentar com coragem. Essas 29 práticas trazem conhecimentos que podem salvar vidas e por isso vamos ajudar no que necessário. Sua fala nos encheu de entusiasmo”, finalizou Orro.

 

Por: Fernanda Kintschner   

Compartilhe essa notícia com seus amigos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *