Polícia Civil identifica quadrilha que extorquiu e sequestrou três pecuaristas

Policiais civis de Três Lagoas identificaram os autores do crime de extorsão mediante sequestro ocorrido durante o início do mês. Na ação, os criminosos sequestraram as três vítimas na manhã do dia 2 de agosto e mantiveram em cativeiro até a tarde do dia 3 de agosto.

Os sequestradores utilizaram como isca a publicação de um anúncio de venda de 150 bezerros em grupos de compra e venda na rede social “Facebook”.

A primeira vítima, um pecuarista de Andradina, foi capturado pelo bando na manhã de sexta-feira (2) por volta das 10h, ocasião em que os criminosos o levaram até o cativeiro localizado na região do Hospital Nossa Senhora Auxiliadora.

Em seguida os criminosos foram em busca de duas novas vítimas, pecuaristas do município de Água Clara, que viajaram até a cidade afim de ver os supostos bezerros que estavam à venda.

Os fazendeiros de Água Clara foram rendidos próximo a entrada de uma fazenda na região estrada “Boiadeira” e foram levados também até o cativeiro em que estava a primeira vítima. No cativeiro os criminosos ameaçaram as vítimas e as obrigaram a realizarem transferências bancárias para as contas da quadrilha.

As vítimas transferiram aos criminosos a quantia de R$ 93.000,00.

Após o crime, a Polícia Civil realizou diligências e conseguiu desmantelar toda a associação criminosa. O delegado responsável pelo caso, Fernando Casati, representou pela prisão preventiva de todos os envolvidos do crime.

Até o momento foram identificados 9 membros da associação criminosa, sendo 4 moradores do município de Três Lagoas.

Um dos envolvidos, João Zucherato, 18 anos, foi preso na noite de 7 de agosto de 2019. João participou ativamente do sequestro e cedeu a residência para ser utilizada como cativeiro.

Outro envolvido, F. F. C., 23 anos, foi preso na tarde de 20 de agosto, já os demais estão com a prisão preventiva decretada e foragidos deste município.

O líder da associação criminosa foi identificado como Breno Gonçalves, preso na Penitenciária Nelson Hungria no Estado de Minas Gerais.

Breno cumpre pena pelos crimes de tráfico e extorsão mediante sequestro e, mesmo custodiado continua comandando sequestros do interior do presidio.

Compartilhe essa notícia com seus amigos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *