Pecuarista, escritor e irmão de Manoel, Abílio de Barros morre aos 90 anos

Pecuarista, advogado e escritor, Abílio Leite de Barros morreu esta manhã, aos 90 anos, em Campo Grande. Ele estava há mais de 1 semana internado no CTI do Proncor, em decorrência de complicações de saúde. Abílio é irmão do poeta Manoel de Barros, morto em 2014.

Abílio Leite de Barros nasceu no dia 15 de janeiro de 1929, em Corumbá. Atualmente, ocupava o cargo de conselheiro fiscal efetivo do Sindicato Rural de Campo Grande, mas já passou por todos os cargos de direção na instituição. Também foi governador do Rotary Clube do Distrito 4470 (que abrange Mato Grosso do Sul)

“É uma grande perda para Mato Grosso do Sul, ele sempre foi muito atuante na agropecuária do Estado”, lamenta o ex-presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), Francisco Maia.

Criador do movimento com denúncias sobre matança de jacarés na década de 1980, é reconhecido como personalidade chave na preservação e conhecido como o “Guardião do Pantanal”. Por isso, em abril de 2015, durante abertura da Expogrande, foi homenageado com selo comemorativo dos Correios.

Sobre o irmão, Manoel de Barros, Abílio dizia que só era parecido na timidez. Mas a dedicação à escrita também unia os dois. Ocupava a 32ª cadeira da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras, autor de livros como Gente Pantaneira, Uma Vila Centenária, Histórias de Muito Antes, Pantanal – Pioneiros, Crônicas de uma nota só (A Era Lula), Recoluta e “A Crônica dos Quatro”.

“Tive o privilégio de aprender com ele, acompanhar a sua trajetória como escritor, empreendedor, porque foi empresário bem sucedido. Não acho que é uma perda, seria se fosse apagado da história, mas todos em MS vão saber quem é ele. Foi um ganho tê-lo como personagem da história e fico feliz pelo legado e herança que deixou pra gente. A vida dele foi dedicada para o bem, para a artes e cultura, sensível. Isso significa mais alegria do que perda. Hoje é um dia de reconhecimento da figura do doutor Abílio”, avalia a escritora Lenilde Ramos.

O presidente da Academia Sul-mato-grossense de Letras, Henrique de Medeiros disse que poucos no Estado falaram sobre nosso regionalismo com a qualidade dele.

“O texto do Abílio tinha a beleza de poder transformar as nossas regionalidades, sua partida é uma perda cultura estadual muitos grande. Poucos autores de Mato Grosso do Sul têm essa vertente regional, de trabalhar com os textos referentes ao nosso Estado, de falar sobre os nossos comportamentos, com a poesia que ele falava, ou em forma de prosa, romance e crônicas. É claro que ele não escrevia, exclusivamente, sobre isso; ele tinha um texto amplo, mas visualizar nossa região é um trabalho que poucos no Estado fizeram com a qualidade que ele fez, soube trabalhar, desenvolver e criar”.

Compartilhe essa notícia com seus amigos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *