Estados Unidos passam de 90 milhões de votos antecipados.

Por: Caio Spechoto
 
Ao menos 90,1 milhões de votos foram depositados antecipadamente até agora para a eleição do próximo presidente dos Estados Unidos. O dado é do U.S. Elections Project, da Universidade da Flórida. A última atualização foi às 12h27 deste sábado (31.out.2020), no horário de Brasília.

O dia da votação presencial é 3 de novembro, mas os 50 Estados dos EUA e a capital aceitam votos antecipados. Os eleitores podem enviar seus votos pelo correio ou depositar em urnas antes do dia da eleição.

O número de votos antecipados é 1 recorde. Em 2016, o total de votantes na eleição presidencial foi de 136,7 milhões. Ou seja, os votos antecipados em 2020 são equivalentes a cerca de 66% dos totais na eleição anterior.

Dentre os eleitores que votaram antes do dia oficial da eleição, agendada para 3 de novembro, são 32,7 milhões os que depositaram seus votos presencialmente e 57,4 milhões que o enviaram pelos correios.

Votar antecipadamente evita eventuais aglomerações na boca da urna e outros possíveis riscos de contágio pelo coronavírus. A pandemia é 1 dos motivos para a alta procura por essa modalidade de participação eleitoral.

A votação antecipada favorece o candidato democrata, Joe Biden. Ele está à frente do atual presidente, o republicano Donald Trump, nas pesquisas. Se houver algum fato que faça eleitores de Biden mudar de ideia, os que já depositaram seus votos não terão como alterá-lo.

© Fornecido por Poder360

Trump sabe disso, e busca desacreditar os votos pelo correio. O presidente dos EUA disse, sem provas, que a votação pelo correio fará a eleição de 2020 ser “a mais imprecisa e fraudulenta da história”.

© Fornecido por Poder360

Trump sugeriu, em setembro, que os eleitores votem duas vezes: pelo correio e presencialmente. O incentivo do presidente vai contra a lei dos EUA, que proíbe votação intencional em duplicidade.

Há a expectativa que, por causa da votação por correio, o resultado oficial da eleição demore a ser conhecido. Em agosto, o conselheiro-geral do Serviço Postal dos Estados Unidos, Thomas Marshall, disse que a contagem poderá sofrer atrasos.

Devido à grande demanda aos serviços postais, alguns grupos da sociedade civil dos EUA passaram a incentivar os eleitores a parar de enviar seus votos pelos correios.

A ONG HeadCount, que estimula os norte-americanos a votar (uma vez que o voto não é obrigatório nos EUA), alertou em outubro: “Deposite seu voto presencialmente. Os correios estão reportando atrasos nas entregas, então, se o seu Estado exige que os votos sejam entregues até o dia da eleição, é melhor entregá-lo pessoalmente do que enviar pelo serviço postal“.

As 50 unidades federativas dos EUA e a capital aceitam os votos antecipados. O Distrito de Columbia (onde está a capital, Washington) e 9 Estados enviam as cédulas de forma automática. Nos outros 41, os eleitores precisam pedir para receber.

Os Estados da Carolina do Sul, Indiana, Louisiana, Mississippi, Tennessee e Texas exigem justificativa dos eleitores para votar pelo correio.

As cédulas de abstenção e de voto pelo correio são assinadas pelos eleitores, lacradas e depositadas em caixas seguras do sistema postal dos EUA, na sede estadual dos correios ou então em tendas de votação.

A contagem dos votos é feita por máquina. O aparelho é capaz de escanear o código de barras da cédula e o respectivo voto marcado. Funciona como o cartão resposta de uma prova, onde a opção é marcada em caneta em 1 pequeno espaço. Segundo especialistas, estes equipamentos conseguem digitalizar cerca de 16.000 cédulas por hora.

A máquina lê os votos e os envia para 1 software que auxilia na verificação. Mas os resultados não são divulgados até depois do fechamento das urnas em papel e eletrônicas utilizadas no dia da eleição. Os eleitores podem checar pela internet a situação do seu voto. Se foi validado e confirmado. Na maioria dos Estados, o governo disponibiliza uma plataforma para acompanhar o passo a passo da cédula.

Mesmo com a recomendação de que os votos sejam depositados com a maior antecedência possível, o grande volume de cédulas deve chegar até o último momento, prolongando o processo de contagem.

Em alguns Estados, a contagem só é feita depois do fim da votação presencial, o que significa 1 acúmulo de votos por correio por contar. Em 2 deles, Pensilvânia e Wisconsin, onde a corrida entre Donald Trump e Joe Biden está mais acirrada, a contagem começa só em 4 de novembro.

Compartilhe essa notícia com seus amigos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *