Covid e crianças: saiba o que os estudos dizem sobre: volta às aulas, transmissão e gravidade

Por Lara Pinheiro e Mariana Garcia, G1

Em setembro, o G1 reuniu 7 pontos do que a ciência já sabia sobre a Covid em crianças. As pesquisas já apontavam que as crianças podem contrair o vírus e desenvolver formas graves, mas que esses casos eram raros.

Estudos recentes confirmam esses indícios e acrescentam novos dados: crianças transmitem a doença menos do que adultos, escolas não são foco da transmissão e, quando têm surtos, é mais comum que o primeiro caso seja em um professor.

Após consultar mais de 20 artigos de pesquisadores de universidades renomadas, o G1 detalha abaixo as principais conclusões:

  1. Crianças também podem transmitir a Covid, mas menos do que os adultos
  2. Escolas não são principais focos de transmissão, mas há registros de surtos
  3. Reabrir escolas requer cumprimento de medidas como ventilação, distanciamento e máscaras
  4. Escolas fechadas trazem prejuízos, mas professores temem risco com aulas presenciais sem vacina
  5. Novas pesquisas sobre Covid em crianças e síndrome pediátrica rara

1) Crianças também podem transmitir a Covid, mas menos do que os adultos

 

Professora lê livros com duas crianças em creche em Recklinghausen, oeste da Alemanha, no dia 24 de fevereiro. — Foto: Ina Fassbender/AFP

Professora lê livros com duas crianças em creche em Recklinghausen, oeste da Alemanha, no dia 24 de fevereiro. — Foto: Ina Fassbender/AFP

Segundo o Centro de Controle de Doenças europeu (ECDC), “nenhuma evidência foi encontrada sugerindo que crianças ou cenários educacionais sejam os motivadores principais da transmissão do vírus Sars-CoV-2.

Pesquisas feitas ao longo da pandemia vêm sugerindo que as crianças, apesar de se infectarem e serem capazes de transmitir a Covid para outras crianças e adultos, transmitem menos a doença.

Ainda no início da pandemia, uma pesquisa ainda não revisada, feita por cientistas chineses e australianos, analisou outros estudos e concluiu que, de 31 focos de casos dentro de casas na Coreia do Sul, Japão e Irã, 3 tiveram o primeiro caso em uma criança. Eles concluíram que as crianças não tinham um papel substancial na transmissão do Sars-CoV-2 dentro de casa.

Uma pesquisa publicada no “British Medical Journal”, em agosto do ano passado, acompanhou todos os primeiros casos pediátricos de Covid-19 na Coreia do Sul, registrados entre 20 de janeiro e 6 de abril de 2020. Ao todo, foram identificados 107 casos em pessoas com 18 anos ou menos. O estudo acompanhou 248 pessoas que moravam na mesma casa do caso inicial.

Os pesquisadores conseguiram identificar uma situação em que o caso pediátrico inicial – de um adolescente de 16 anos – infectou um adulto. O adolescente ficou isolado no próprio quarto, em casa, mas dividiu a mesa ao fazer refeições com o adulto que acabou infectado. O tempo de exposição foi de 2 dias no período pré-sintomático e de 1 dia no período sintomático do caso inicial.

 

“Um caso pediátrico inicial pode expor membros da casa a um nível substancial de infecção durante a fase pré-sintomática”, apontaram os pesquisadores. Eles recomendaram o monitoramento e a avaliação do papel das crianças em transmitir a Covid dentro de casa e na comunidade.

 

Compartilhe essa notícia com seus amigos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *