PMA resgata filhote de tamanduá-bandeira agarrado ao dorso da mãe que foi morta por atropelamento

Campo Grande (MS) – Policiais Militares Ambientais de Coxim foram acionados ontem (10) à noite, para resgatar um filhote de tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) à margem da rodovia BR 359, a 20 km da cidade, nas proximidades do distrito de Silviolândia, cuja a mãe tinha ido a óbito, vítima de atropelamento. Quando os policiais chegaram ao local, o filhote estava agarrado ao dorso da mãe morta.

No dorso é a forma que a tamanduá carrega seus filhotes e, por isso, talvez o animal tenha escapado. Deve ter “voado” com o impacto do veículo na mãe. O filhote foi recolhido, não apresentava ferimentos e foi alimentado e hidratado e será encaminhado ao Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (CRAS), em Campo Grande para a possível reintrodução na natureza.

 

OUTRO CASO EM BONITO

Policiais Militares Ambientais de Bonito resgataram há um mês, no dia 9 de abril, outro filhote de tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) à margem da rodovia MS 382, nas mesmas condições, a 20 km de Bonito.

ORIENTAÇÃO SOBRE ATROPELAMENTO DE ANIMAIS

A PMA orienta às pessoas, que não existe crime ao atropelar um animal sem intenção. No caso, o procedimento correto é parar o veículo em local seguro e com segurança, verificar se o animal está morto. Se não estiver, efetue o socorro, porque toda vida tem um sentido e vale a pena. Se ele estiver morto e estiver na pista de rolamento, o retire com segurança para o acostamento, para evitar que outro usuário da rodovia possa vir a se acidentar e, às vezes, até matar a si e sua família, em novo possível acidente, que esta atitude simples poderia evitar. Jamais fazer o que motorista deste caso de hoje fez ao deixar, inclusive, o filhote que poderia morrer de fome.

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA POLÍCIA MILITAR AMBIENTAL – PMMS – (Contato – TENENTE CORONEL EDNILSON PAULINO QUEIROZ) tel. – 3357-1500

Publicado por: Ednilson Paulino Queiroz

Compartilhe essa notícia com seus amigos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *