Covid-19: mortes sobem para 436,5 mil, e casos chegam a 15,6 milhões

As mortes pelo novo coronavírus subiram para 436.537, conforme a nova atualização diária do Ministério da Saúde, divulgada na noite desta segunda-feira (17). Nas últimas 24 horas, foram registrados 786 novos óbitos.

Há 3.704 mortes em investigação. Isso ocorre porque há casos em que um paciente morre, mas a causa segue sendo apurada mesmo após a declaração do óbito.

 

A quantidade de pessoas que tiveram covid-19 foi para 15.657.391. Entre ontem e hoje, foram confirmados por autoridades de saúde 29.916 diagnósticos positivos.

Ainda há no país 1.068.421 casos em acompanhamento. O termo é empregado para as pessoas infectadas e com casos ativos de contaminação pelo novo coronavírus.

O número de pessoas que se recuperaram da covid-19 desde o início da pandemia totalizou 14.152.433. Isso equivale a 90,4% do total de pessoas que foram infectadas com o vírus.

Os números são em geral mais baixos aos domingos e segundas-feiras em razão da menor quantidade de funcionários das equipes de saúde para realizar a alimentação dos dados. Às terças-feiras os resultados tendem a ser maiores pelo envio dos dados acumulados.

Situação epidemiológica da covid-19 no Brasil (17.05.2021).

Estados

ranking de estados com mais mortes pela covid-19 é liderado por São Paulo (104.295). Em seguida vêm Rio de Janeiro (48.024), Minas Gerais (37.557), Rio Grande do Sul (26.724) e Paraná (24.792). Já na parte de baixo da lista, com menos óbitos, estão Roraima (1.571), Acre (1.620), Amapá (1.622), Tocantins (2.727) e Alagoas (4.508).

Em número de casos, São Paulo lidera com 3.096.845, seguido por Minas Gerais (1.465.668), Rio Grande do Sul (1.032.330) e Paraná (1.025.645). Os estados com menor número de casos são Acre (80.561), Roraima (100.084) e Amapá (109.272).

Vacinação

Até o momento, foram distribuídos a estados e municípios 85,2 milhões de doses de vacinas contra a covid-19. Deste total, foram aplicadas 53,2 milhões de doses, sendo 36 milhões da 1ª dose e 17,1 milhões da 2ª dose.

Compartilhe essa notícia com seus amigos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *