Pesquisador de MS recebe prêmio internacional ‘futuro para natureza’

Por Renata Barros, g1 MS

O biólogo e pesquisador do Programa de Conservação do Tatu-canastra, Gabriel Massocato, está entre os três vencedores do prêmio internacional “Future for Nature Awards 2022”, promovida pela organização holandesa Future for Nature (FFN), que apoia jovens conservacionistas comprometidos com a conservação de espécies animais e vegetais. A premiação ocorreu nesta sexta-feira (13), na Holanda.

O pesquisador atuante em Mato Grosso do Sul foi o único representante do continente Americano na premiação. A premiação de £ 50 mil (equivalente a R$ 262.790) será destinada à pesquisa pela conservação da espécie pesquisada por ele

 

“Vai possibilitar a ampliação dos nossos esforços para proteger o tatu-canastra, através da criação de Unidades de Conservação, que tem o objetivo de evitar a extinção iminente da espécie e organizar expedições de campo para estudar e monitorar esses animais e o seu habitat”, relata Massocato.
Pesquisador é formado na UFGD, em Mato Grosso do Sul. — Foto: Reprodução/RedesSociaisPesquisador é formado na UFGD, em Mato Grosso do Sul. — Foto: Reprodução/RedesSociais

De acordo com o pesquisador, eles também pretendem estabelecer parcerias com pesquisadores, proprietários rurais, empresas, comunidades locais e governos em prol da conservação do tatu-canastra e de outros animais ligados a ele.

Formado em Biologia pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), localizada em Dourados (MS), o pesquisador competiu com mais de 250 concorrentes. Junto a ele, venceram a indiana Tiasa Adhya e a britânica Rebecca Cliffe.

Programa de Conservação do Tatu-canastra

Pesquisador é atuante na preservação do tatu-canastra. — Foto: Reprodução/RedesSociaisPesquisador é atuante na preservação do tatu-canastra. — Foto: Reprodução/RedesSociais

O Programa de Conservação do Tatu-canastra, desenvolvido pelo Instituto de Conservação de Animais Silvestres (Icas) e o Instituto de Pesquisas Ecológicas (Ipê), atua desde 2010 em vários biomas da América do Sul.

No Pantanal, Massacato contribuiu na condução de estudos de longo prazo. Pelas pesquisas, foram identificadas as necessidades biológicas e ecológicas do tatu-canastra e também auxiliaram no treinamento de mais de 80 voluntários, que buscam a conservação da espécie.

Segundo Arnaud Desbiez, presidente do Icas e fundador do projeto, Massacato atuou na criação do Plano de Ação Nacional do Tatu-canastra e também participou da formação de uma brigada de incêndio comunitária, que está pronta para proteger uma área de 1.500 km2 do Pantanal da Nhecolândia.

“Ver alguém que iniciou como voluntário em nosso projeto e que hoje ocupa a posição de coordenador do projeto no Pantanal é uma imensa alegria. Além disso, Gabriel se tornou um grande amigo e um profissional essencial na execução de muitas outras atividades do Icas e é muito querido e respeitado por toda a nossa equipe e nós não poderíamos estar mais contentes e honrados com esse merecido reconhecimento”, destaca Desbiez.

 
Compartilhe essa notícia com seus amigos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *