Petrobras: aliados reagem contra privatização e pauta pode naufragar

Interlocutores do governo desaprovam eventual privatização da petroleira, e governo busca alternativas às vésperas das eleições

Mayara Oliveira

Logo após assumir o comando do Ministério de Minas e Energia, Adolfo Sachsida anunciou que entregou à equipe econômica do governo estudos sobre a privatização da Petrobras. O primeiro ato como ministro, no entanto, não agradou aliados de Jair Bolsonaro (PL), o que tem preocupado o círculo mais próximo ao presidente.

Articuladores da reeleição do atual chefe do Executivo federal, por exemplo, estão divididos. Enquanto parte defende que a pauta tem força eleitoral, outra argumenta que uma eventual privatização da petroleira em ano de eleições pode manchar a imagem do presidente e dificultar o plano do mandatário de seguir no comando do país.

Segundo interlocutores do Palácio do Planalto, a proposta pode virar “um tiro no pé”. Esses mesmos aliados dizem que o anúncio do governo já começa a ter o efeito contrário ao desejado.

Nessa sexta-feira (13/5), o coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, afirmou que, caso o presidente Jair Bolsonaro “ouse pautar a privatização da Petrobras”, a categoria entrará imediatamente em greve. O petroleiro alertou ainda que esta seria “a maior greve da história”.

Caminhoneiros devem se reunir neste domingo (15/5) para decidir se a categoria vai fazer greve nacional em protesto contra a alta de 8,87% no preço do diesel.

Aliados do governo dizem que, embora parte dos caminhoneiros tenha comprado o discurso de Bolsonaro de que a responsável pela alta dos combustíveis é da Petrobras, o posicionamento não diz respeito à categoria inteira. Defendem ainda que o governo pode afastar eleitores com uma eventual privatização da empresa, além de “dar munição à esquerda”.

Interferências “por vias legais”

Nesta semana, durante uma transmissão ao vivo nas redes sociais, Bolsonaro disse que a Petrobras “tem que ter o seu papel social no tocante ao preço dos combustíveis”. Disse ainda que não haverá interferência na Petrobras, a não ser, segundo ele, “pelas vias legais”.

De acordo com interlocutores, essas vias estão sendo estudadas de duas formas. A primeira diz respeito ao frete. O Ministério da Economia calcula que uma mudança no valor do frete poderia reduzir a cotação do petróleo de 10% a 15%.

Apesar de o próprio presidente da Petrobras, José Mauro Coelho, ter afirmado que a empresa irá manter a política de preços (de alinhamento ao mercado internacional), integrantes do Ministério de Minas e Energia querem alterar a fórmula do cálculo base dos preços dos combustíveis. O objetivo é baratear os produtos nos postos revendedores.

A segunda ideia em estudo é ampliar o intervalo dos reajustes anunciados pela Petrobras, que, atualmente, não têm uma periodicidade definida.

 

 
Compartilhe essa notícia com seus amigos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *